Bancos vão fiscalizar operações de crédito rural por sensoriamento remoto. - Canizo & Silva
9408
post-template-default,single,single-post,postid-9408,single-format-standard,eltd-core-1.0.3,ajax_fade,page_not_loaded,,canizo & silva-ver-1.o, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,fade_push_text_top,grid_800,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Bancos vão fiscalizar operações de crédito rural por sensoriamento remoto.

A partir de janeiro do próximo ano, os bancos começarão a usar imagens de satélite ou veículos aéreos não tripulados, como drones, para fiscalizar as operações de crédito do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou a fiscalização por sensoriamento remoto.

Até agora, os bancos faziam visitas físicas, por amostragem, para avaliar se os mutuários do Proagro estavam aplicando corretamente o dinheiro do empréstimo. Pela nova regulação, a partir de janeiro os bancos começarão a usar as tecnologias à distância para monitorar empréstimos superiores a R$ 300 mil. A partir de julho, a fiscalização por sensoriamento remoto será obrigatória também para operações de crédito acima de R$ 40 mil.

Além de fiscalizarem as propriedades, os bancos terão de informar ao Banco Central as coordenadas geográficas dos empreendimentos financiados. Entre as operações de crédito a serem fiscalizadas, estão o financiamento de custeio de lavouras, as linhas de crédito para a formação ou recuperação de pastos e os empréstimos para investimentos em lavouras permanentes ou em florestas.

Os bancos que não optarem pela fiscalização por sensoriamento remoto terão que fazer vistoria presencial em todos os empreendimentos financiados, sem a possibilidade de usarem amostras. Segundo o Banco Central, a medida foi tomada para incentivar as instituições financeiras a usar as imagens de satélites e os drones.

Fonte: Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Edição:Stênio Ribeiro

Sem Comentários

Publicar um comentário